A Encarregada

de Sandra Henriques

 

Todas as manhãs, Albertina abre o portão mesmo que não venham visitas. Varre os trilhos entre os lotes, junta as folhas caídas numa pilha ao lado do barracão e abre latas de atum para os gatos do bairro.

Depois, senta-se no banquinho de plástico ao guichê, com a sua revista das cusquices das celebridades. Para pretexto de conversa, não para ler.

Todas as manhãs, eles vêm, curiosos, espreitam por cima do ombro dela pelo postigo e sussurram-lhe: «o que há lá fora?»

«Nada», responde Albertina enfastiada, sem levantar os olhos da revista. E, um a um, resignados, regressam às sepulturas.

 

*Este texto foi redigido segundo o Acordo Ortográfico de 1945

 

 

 

SOBRE A AUTORA

Sandra Henriques

Açoriana de gema a morar em Lisboa há mais de 20 anos, Sandra Henriques escreve desde 2014 sobre turismo cultural em Portugal para várias publicações de viagens, incluindo dois livros da Lonely Planet.

Em 2021, estreou-se na ficção com o conto «Praga», na antologia Sangue Novo, e ganhou o prémio europeu no concurso de microcontos da EACWP com «A Encarregada», uma história de terror contada em 100 palavras.