Dia 5 de fevereiro é a próxima sessão da Via do Medo

O tema é «Máquinas»

Soltem o Exterminador Implacável que há dentro de vocês, caríssimos escritores sempre em luta com o teclado!

Não sei se já se aperceberam, mas anda tudo histérico (claramente não viram filmes de ficção científica suficientes) com certas ferramentas de inteligência artificial que fazem arte e escrevem textos e anda toda a gente a experimentá-las enquanto (pobres incautos) alimentam a besta com as armas que ela vai usar contra a Humanidade! (O meu smartwatch avisou-me de que a minha pulsação estava descontrolada. Respirei fundo, como ele mandou.)

O tema da próxima sessão da Via do Medo é «Máquinas». E tratem bem o vosso computador (ou telemóvel, ou tablet), pelo menos até ao final da sessão. Depois disso, podem ameaçá-lo com a ferramenta que estiver mais à mão, sobretudo se a marca deles for SkyNet (a do filme; não aquela que existe mesmo).
Como de costume, o encontro é às 17 h (hora de Portugal Continental e Madeira), no Zoom.

Todas as informações aqui.

Últimas

Herança

A água estendia-se até aos limites da visão, envolta por árvores que a escondiam do mundo. Ali, a…

Entrevista ao realizador Tomás Ferreira

In a House, at Night é uma das duas curtas-metragens no circuito dos festivais internacionais de…

Um Gosto na Memória

Não esqueço o teu gosto. Tortura-me a memória. Penso-te nos lábios, ao passar a língua por eles.……

Bonequinha

Eu avisei-te. Disse-te que ela era má influência, que te ia encher a cabeça de ideias absurdas. Que…

«The Wolf of Snow Hollow»

Jim Cummings realizou e protagonizou o novo filme da Sessão da Noite em 2020, transportando-nos…

O Vulto Negro

Era apenas uma criança. Uma criança que não queria dormir. Uma criança que tinha medo do……

Locais a visitar: Lapa de Santa Margarida (Portinho da Arrábida)

A caminho do Portinho da Arrábida, escondida numa gruta a cinco metros do nível médio do mar,…

Um Mau Caminho

À entrada iluminada pelo Sol nascente, viam-se plantas que cresciam, abrindo-se em cores vivas para…

Relógio das Más Sortes

Tratava-se de uma espécie de relógio que, em vez de horas, mostrava azares. Tinha cinco pontos,…

GuilhermeDourart

Guilherme começou a sua viagem no mundo artístico a partir da música, mas já lá vão dez anos desde…

Uriel

Certa noite, fui acordado por um bater de asas que me resgatou do meu pesadelo recorrente. A…

Crítica a «Coleção de Contos Best of Best», de Junji Ito (2022)

É precisamente Junji Ito que a Devir nos dá a conhecer, traduzindo a obra Ito Junji Tapenshu Best…

«A Rainha dos Canibais», argumento e desenho de Miguel Rocha

Depois de quase uma década passada sobre o seu último livro, Salazar, Agora, na Hora da sua Morte…

A Erva Vermelha

A erva vermelha crescia de forma lenta, mas nunca morria. Quando o sol a iluminava, e o vento a…

Pedido de Ajuda

Dia tão triste! Nesta cidade, as ruas estão repletas de castelos. Estes estão abertos a todos,…

«O Menu» (2022)

Bem-vindos a O Menu, um filme de Mark Mylod com argumento de Seth Reiss e história original por…

A Estada

A viagem tinha sido longa e Tom estava impaciente para chegar ao quarto. Não tinha muitos…

Lendas da Capela do Senhor da Pedra

A primeira coisa que encontrei foi esta breve descrição geográfica: «A Capela do Senhor da Pedra…

Dia 22 é a próxima sessão da Via do Medo

Tudo a correr como planeado? Já riscaram algum item da lista? Ou prognósticos só no fim do jogo?…

O que a Terra Não Comeu

Para ela, a vida foi sempre madrasta. Não pôde estudar, foi governanta da casa da sua madrinha…

O que fazer na sexta-feira 13

Caminhadas, celebrações que já são um clássico e maratonas de filmes Neste dia, deixem as…

In Memoriam

Nos dias seguintes a tê-lo perdido, continuava a senti-lo pela casa. O seu cheiro guardado na roupa…

«Lili», de Manuel Alves

Se não estão preparados para entrar num universo de monstros com voz de canela e de pimenta que…

Os 10 contos mais lidos de 2022

Os dez contos mais lidos em 2022 são de dez autores diferentes, com temas muito diversos, o que só…

Newsletter

Contos


Leiam aqui o conto mais recente da nossa página


Até hoje, já publicámos quarenta e dois autores.

É com muita alegria que continuamos a divulgar a literatura de terror em Portugal.
Queres fazer parte desta família? Submete a tua obra!


»» Submissão de Contos

Publicamos ficção de terror original em português. Se há por aí uma história tenebrosa mortinha para sair da gaveta (ou se conheces alguém que tenha uma), queremos lê-la e partilhá-la com a restante família da Fábrica do Terror.
Para mais informações, clicar AQUI.

»» Submissão de outras obras

De momento, estamos a aceitar banda desenhada, ilustração, animação, filme, vídeo, fotografia e música.
Para mais informações, clicar AQUI.

CONTOS

Um dos pilares da Fábrica do Terror é divulgar autores, sejam eles as novas vozes do terror em Portugal ou veteranos com extensa obra. Convidamos-te a descobrir esses criadores através de contos curtos que publicaremos na nossa página todas as semanas.

Tens um conto para partilhar e queres fazer parte da nossa comunidade como autor? Submete já hoje o teu texto.

Herança


A água estendia-se até aos limites da visão, envolta por árvores que a…

Ler

Bonequinha


Eu avisei-te. Disse-te que ela era má influência, que te ia encher a cabeça de…

Ler

O Vulto Negro


Era apenas uma criança. Uma criança que não queria dormir. Uma criança que…

Ler

Relógio das Más Sortes


Tratava-se de uma espécie de relógio que, em vez de horas, mostrava azares.…

Ler

PALAVRA6

Na tradição do célebre conto atribuído a Hemingway
(«Vendem-se: sapatos de bebé, nunca usados»),
e em colaboração com o projeto Palavra6,
apresentamos os melhores microcontos de terror
com seis palavras.

LER MAIS PALAVRA6

Palavra6 no Instagram

MICROCONTOS

Contos de terror em português até 150 palavras.

Partilha o teu nas redes sociais com #microcontosfdt e  submete já hoje o teu texto.

Um Gosto na Memória


Não esqueço o teu gosto. Tortura-me a memória. Penso-te nos lábios, ao passar a…

Ler

Um Mau Caminho


À entrada iluminada pelo Sol nascente, viam-se plantas que cresciam, abrindo-se…

Ler

A Erva Vermelha


A erva vermelha crescia de forma lenta, mas nunca morria. Quando o sol a…

Ler

O que a Terra Não Comeu


Para ela, a vida foi sempre madrasta. Não pôde estudar, foi governanta da casa…

Ler

Sessão da Noite é um espaço de crítica a séries e filmes de terror,
nacionais e internacionais, que podem ou não merecer
o Selo Maria Varanda.

Sustinhos: a nossa secção Infanto-juvenil.

Premiados

A nossa colaboradora Liliana Duarte Pereira ganhou o Prémio Adamastor de Ficção Fantástica em Conto com O Manicómio das Mães.
Para celebrar, vamos recordar aqui a entrevista que nos deu em junho.

Via do Medo: as oficinas de escrita «online» da Fábrica do Terror

Começam dia 30 de outubro,
às 17 h

A partir do dia 30 de outubro (domingo), a Fábrica do Terror destranca novamente as suas portas para abrir ao público a Via do Medo.  

Esta oficina online, para a partilha e comentário de contos de terror, tem como propósito promover e aperfeiçoar a prática da escrita dentro do género.

Aos domingos, acompanhados de outros viajantes, poderão percorrer esta via mal-iluminada, guiados apenas pelo som das histórias que ao longo dela se contam, uma delas a vossa.

O caminho não está identificado. Não há placas. Ninguém sabe onde ele pode levar.

Assim, tenham cuidado. Não são poucos os que se perdem por lá.

INSÓLITOS

GuilhermeDourart

Guilherme começou a sua viagem no mundo artístico a partir da música, mas já lá vão dez anos desde que descobriu que a pintura e a fotografia combinadas lhe permitiam expressar com maior amplitude e exatidão a sua veia artística.


O Quebranto

É comum no seio das famílias portuguesas, sobretudo nos meios rurais, existir uma tia ou uma avó que conhece de olhos fechados mezinhas para aniquilar o chamado quebranto, mau-olhado ou espinhela caída.


Conhecem a Travessa das Bruxas em Lisboa?

Ligando o Largo da Graça à Rua da Voz do Operário, a Travessa de São Vicente nem sempre teve essa denominação. Até ao ano de 1859, a dita artéria lisboeta tinha o nome de Travessa das Bruxas.