O Nhaca

de Ricardo Figueira

O Nhaca tem uma cabeça toda feita de aço, redonda, enorme, e dentes tão afiados que são capazes de cortar uma árvore sem dificuldade. Dizem que, nas noites de lua cheia em Agosto, o Nhaca vem e abocanha a cabeça de quem disser a palavra «cama» na rua.

Quem me contou a história disse que nunca ninguém viu o Nhaca, a não ser muito de fugida. Ele aparece, come a cabeça das pessoas e vai embora em menos de um segundo. Mas nunca falei com ninguém que o tenha mesmo visto ou que tenha assistido a um ataque. Só pessoas que conhecem alguém que conhecem alguém a quem aconteceu. Os jornais também não falam de nenhum caso comprovado.

Mas parece haver algumas regras precisas: tem de ser aqui na nossa cidade, tem de ser em Agosto, de noite e numa noite de lua cheia. E o Nhaca só abocanha quem disser a palavra «cama». No exterior, apenas. Quem disser dentro de casa está salvo.

Pois, nessa noite — de Agosto, justamente — estava muito calor e uma lua cheia enorme. Eu e a Sara saímos para comer um gelado e dar um passeio à beira-mar.

—  É hoje a noite em que vem o Nhaca — disse ela.

— O quem? — fiz-me de desentendido.

— Sabes bem de quem é que estou a falar. O Nhaca. Que nos come a cabeça se dissermos a palavra proibida.

— Qual palavra? Cama?

— Não sejas parvo, cala-te!

— Ora, não me digas que acreditas nessas coisas? Estás a ver como não acontece nada? Cama, cama, cama! Isso é só uma lenda. Olha, quando acabarmos o gelado, vens comigo sabes para onde?

— Para onde?

— Para a cama!

— Parvo, estúpido!

Fizemos o resto do passeio quase todo em silêncio. Tentei dar-lhe a mão, mas ela furtou-se.

— Estou chateada contigo.

— Se é assim, vou embora, vou para casa, que já estou farto de passear.

— E vais fazer o quê, em casa?

— Olha, vou para a cama que já são horas.

Nhaca!

 

 

*Este texto foi redigido segundo o Acordo Ortográfico de 1945

SOBRE O AUTOR

Ricardo Figueira

Ricardo Figueira nasceu em Lisboa e é jornalista do canal Euronews, sediado em Lyon (França), onde vive desde 2003, depois de um primeiro período entre 1999 e 2001, e de ter também trabalhado para a RTP. Assina um espaço semanal de opinião na Rádio Alfa. É igualmente fotógrafo, tendo participado em várias exposições e projeções, tanto individuais como coletivas, em vários países, incluindo uma recolha de retratos de portugueses e lusodescendentes residentes em França. É coautor e corealizador da curta-metragem Motorphobia, exibida no Fantasporto em 2016. O confinamento de 2020 fê-lo retomar o gosto pela escrita. É autor de vários contos e terminou recentemente o seu primeiro romance, que espera ver publicado durante o ano de 2023.