Uma Maçã

de Giuseppa Giangrande

 

Sou uma maçã — ou melhor, antes era uma maçã, um fruto belo, vermelho que todos teriam querido comer para saborear a polpa, também sumarenta, um pouco amarga.

Agora, não me reconheço. Fico desde há meses em cima de uma mesa, uma daquelas antigas, de nogueira maciça, cuja madeira agora é podre. Também eu agora sou podre, abandonada em cima daquela mesa poeirenta, cujos pés mostram marcas deixadas pelo pó e pelas teias de aranha. Tudo, ao redor de mim, é podridão. Pouco a pouco, a mesa começa a ser povoada por vermes que trepam e rastejam em cima da superfície. Um deles aproxima-se de mim, começa a abrir um buraco através da minha casca coberta de manchas cor castanha.

O bicho magoa-me, mas não posso fazer nada. Já se apoderou de mim. E eu só posso ser testemunha da putrefação que me envolve.

 

SOBRE A AUTORA

Giuseppa Giangrande

Giuseppa Giangrande nasceu em Monreale (Palermo), na Itália.

É professora do ensino básico, licenciou-se em Línguas Estrangeiras e Literaturas e em Mediação Linguística/Italiano L2.

Atualmente, é estudante de Literaturas Comparadas com enfoque nas línguas portuguesa e turca.

Graças à Escrever Escrever, começou a escrever, o que se revelou algo inesperado e um desafio, também linguístico, dada a sua paixão pela língua portuguesa.